KASHIKONE-NO-MIKOTO - IGREJA TENRIKYO AMAZONIA

Ir para o conteúdo

Menu principal:

ARQUIVOS > AS DEZ PROVIDÊNCIAS
KASHIKONE-NO-MIKOTO
<A providência divina da respiração no corpo humano, e do vento no mundo>

Revela-se no céu como uma constelação conhecida como Doze Estrelas numa nebulosa. O ponto cardeal é noroeste. O seu aspecto no mar de lama na criação dos seres humanos é uma solha ou linguado. No corpo humano, é o trabalho de órgão respiratório, como da voz, da fala, da audição em geral. No mundo, é o trabalho do movimento da atmosfera, mudança climática, além da comunicação entre os seres humanos. É apresentado como um elemento masculino.

Os seres humanos podem respirar porque os alimentos e o ar são distinguidos e separados ao entrar e sair pela garganta e podem usar as palavras, ouvir e sentir cheiro graças a este trabalho de Deus-Parens. A temperatura muda com o trabalho do vento. A grande corrente de ar mantém adequada­mente a temperatura do globo terrestre. As nuvens carregadas de gotículas de água são impelidas pelos ventos dos mares às terras, proporcionando a graça da chuva. Os pássaros e os aeroplanos podem voar, também podem-se sentir as lufadas de ar fresco e quente dos aparelhos de condicionamento ambiental em tempo devido, tudo graças a esta providência, denominada de Kashikone-no-mikoto.

A sua característica espiritual é a de não errar o procedimento distinguindo e assimilando as boas coisas e não as más, e a de não subestimar e discriminar os outros. O espírito que corresponde a esta providência é o espírito que lança adequadamente o ar sem provocar ventania, isto é, o que anima qual brisa o espírito dos outros com palavras. E atitude de usar distinguindo cada respiração, cada palavra procurando não errar aquilo que deve ser ouvido e aquilo que deve ser dito, de modo que o espírito não se deteriore nem o deixe que se deteriore.

Atacar com rigidez as pessoas com palavras por teimosia e o senso de expor alegações e justificativas, dar rasteira implicando com as últimas palavras que os outros disserem, deteriorar o seu próprio espírito ficando com rancor daquele que procurou advertir, e passar queixoso com pouca alegria na mente, não combinam com a característica ou espírito desta providência. Virão a ser doença da boca, dos ouvidos, do nariz, da garganta, dos brônquios e dos pulmões. É muito importante que procurem não se queixar do frio ou calor, não expelir palavras duras e fortes, nem esquecer a gratidão por um fio de vida que é a respiração e usar as palavras apreciáveis de bom gosto e aceitáveis, ou seja, de boa digestão.



 
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal